Você está em Material de apoio > Simbolismo

Simbolismo

Precedentes

A partir de 1880, na França, ocorreu uma reação contra os pontos de vista cientificistas da elite intelectual da época, representadas na literatura pelo fatalismo naturalista e pelo rigor parnasiano.

Nesse sentido, o Simbolismo surgiu como uma recusa a todos os valores ideológicos e existenciais da burguesia, e não apenas como uma estética oposta à literatura, objetiva, descritiva e plástica, mais especificamente a poesia lírica.

Nasce então uma nova arte europeia por meio da marginalidade de Verlaine, do amoralismo de Rimbaud e da destruição de linguagem por Mallarmé, em oposição a Belle Époque, do capitalismo financeiro e industrial que se apoderava até então de boa parte do mundo.

Para saber mais
A expressão francesa Belle Époque significa “bela época”, e representa um período de cultura cosmopolita na história da Europa. Essa fase foi marcada por transformações culturais intensas que demonstravam novas formas de pensar e viver. Considerada uma época de ouro, beleza, inovação e paz entre os países.

Neste momento, o artista passa a experimentar, à maneira dos românticos, um intenso incômodo na realidade e na cultura, partindo do mundo escolhido pelo racionalismo burguês e desvendando um universo estranho de associações de ideias, imagens oníricas e lembranças sem significado definido. Essa realidade era formada por um universo etéreo, de sensações evanescentes e o poeta teria que reproduzir tais sensações na escrita.

Deste modo, o Simbolismo tem por definição o anti-intelectualismo, propondo como ideal a lírica pura, não racional, que usa imagens, e não conceitos. As poesias simbolistas são consideradas difíceis, misteriosas e herméticas. Cada poema se apresenta como uma forma de enigma, com inúmeros significados. Por esta razão, muitos críticos enxergam nas obras simbolistas os fundamentos da arte moderna, principalmente os da arte surrealista.

Surgimento

Os primeiros indicativos do movimento apontam para Baudelaire, através da publicação de As Flores do Mal (1857), apontando certas perspectivas simbolistas.


Obra do escritor francês Charles Baudelaire - As Flores do Mal (1857)

No ano de 1884, Verlaine publicou sua obra intitulada de Arte poética, onde os princípios da escola simbolista eram evidentes. Em 1886, Jean Moréas usou um manifesto para formar teoricamente o Simbolismo. Veja o que diz um trecho desse manifesto:

Como todas as artes, a literatura evolui: evolução cíclica com todas as voltas estritamente determinadas que se compilam com as diversas modificações trazidas  pela  marcha dos  tempos e pelas revoluções dos meios. Seria supérfluo observar que cada nova fase evolutiva da arte corresponde exatamente à decrepitude senil, […] da escola imediatamente anterior.

Assim o Romantismo, após soar todos os tumultuosos alarmas da revolta, após haver tido seus dias de glória e de batalha, abdicou de suas audácias heroicas […]; na honrosa e mesquinha tentativa dos parnasianos, ele esperou falaciosos renovadores; depois finalmente, tal como  um monarca deposto na infância, deixou-se  depor pelo  Naturalismo, ao qual  não  se pode conceder seriamente senão um valor de protesto legítimo, mas imprudente. Uma nova manifestação de arte era, portanto, esperada, necessária, inevitável. […] Já propusemos a denominação de Simbolismo como a única capaz de designar razoavelmente a tendência atual do espírito criador em arte. (TELLES, 2002, p. 62).”

Como referenciar: "Simbolismo" em Só Literatura. Virtuous Tecnologia da Informação, 2007-2019. Consultado em 18/02/2019 às 06:56. Disponível na Internet em http://www.soliteratura.com.br/simbolismo/