Poesia marginal

Essa poesia surgiu na década de 1970 e recebeu esse nome em razão de sua produção, edição e distribuição serem alternativas: em off-set ou mimeografadas, as tiragens eram pequenas e a distribuição ocorria pelos próprios poetas, de mão em mão, nas portas dos teatros, escolas, restaurantes, etc.

A linguagem utilizada era próxima da oral e mantinha pontos de contato com o Concretismo e o Poema/processo.

Basicamente formada por pequenos textos, alguns com apelo visual (fotos, quadrinhos, etc.) com temática cotidiana e erótica, permeadas de sarcasmo, humor, ironia, palavrões e gírias da periferia.


Representação da poesia marginal

Poetas que mais se destacaram na nesse movimento:

  • Chacal (1951);
  • Cacaso (1944-1987);
  • Paulo Leminki (1944-1989);
  • Torquato Neto (1944-1972).


Chacal – Um dos representantes da poesia marginal

Observe alguns exemplos desse movimento:

“Marginal é quem escreve à margem,
deixando branca a página
para que a paisagem passe
e deixe tudo claro à sua passagem.
Marginal, escrever na entrelinha,
sem nunca saber direito
quem veio primeiro,
o ovo ou a galinha”.
Paulo Leminki

Papo de Índio
Veiu uns ômi di saia preta
cheiu di caixinha e pó branco
qui eles disserum qui chamava açucri
aí eles falarum e nós fechamu a cara
depois eles arrepitirum e nós fechamu o corpo
aí eles insistirum e nós comemu eles.
Chacal

  
Como referenciar: "Poesia marginal" em Só Literatura. Virtuous Tecnologia da Informação, 2007-2019. Consultado em 19/02/2019 às 21:50. Disponível na Internet em http://www.soliteratura.com.br/contemporaneas/contemporaneas3.php